Make your own free website on Tripod.com

Fraternidade Rosacruz Max Heindel

Home

Max Heindel | O Templo Rosacruz | Fundamentos Rosacruzes em Perguntas e Respostas | Calendário de eventos | Breve História de Nosso Centro | Cursos por Correspondência | Ecos da Fraternidade Rosacruz | Ecos da Fraternidade Rosacruz/Janeiro-Fevereiro de 2002 | Links | Contate-nos
Breve História de Nosso Centro

Nos idos de 1940 chegavam ao Rio de Janeiro, provindos da vizinha República Oriental do Uruguai, a Sra. Irene Gómez de Ruggiero e sua família. Desde muito jovem aquela senhora evidenciara sua vocação para o sublime, e seu misticismo se acentuaria na idade adulta em definida conquista espiritual. Seus elevados propósitos cristãos conciliavam-se com os daquele que fundara a Fraternidade Rosacruz, Associação Internacional de Cristãos Místicos, com sede em Oceanside, na Califórnia, e foi exatamente por inspiração da Sra. Augusta Foss de Heindel, esposa de Max Heindel, que o sucedeu na direção do movimento rosacruz,que a Sra. Irene Gómez de Ruggiero tomou o destino de nosso país.

Vencidos os primeiros tempos de adaptação, pôde D.Irene reunir, em sua residência, em Lins de Vasconcelos, limitado grupo de pessoas interessadas em um conhecimento que lhes soava diferentemente. Esse conhecimento transcendental, exposto com invulgar convicção, penetrava fundo nos corações e nas mentes dos ouvintes, cujo número foi crescendo à medida em que se operava uma transformação interior, como plantinha delicada e sensível que brotasse no íntimo de cada consciência.

Algum tempo depois as reuniões se davam em outro endereço, o da Rua Senador Corrêa, em Laranjeiras. Dali os estudantes transladaram-se para o bairro de Santa Teresa, à Rua Costa Bastos, e a Fraternidade Rosacruz Max Heindel, tendo assumido caráter oficial, foi inaugurada aos 5 de novembro de 1944, passando, decorrido cerca de um lustro, a ocupar o prédio da Av. Édison Passos 1000, na Tijuca.

De lá para cá dinamizou-se a atuação da entidade com a organização de cursos para adultos, jovens e crianças. cumprindo-se programas destinados aos vários níveis, que, partindo basicamente do "Conceito Rosacruz do Cosmo", se estendiam à Bíblia e à Astrologia. Um conjunto coral se apresentou em diferentes ocasiões, juntamente com orquestra igualmente integrada por figuras do corpo discente da Fraternidade. Conferências internas e semanais se realizavam, assim como orações coletivas aos domingos, Harmonias Planetárias (Serviço de Cura) em datas predeterminadas, como, até hoje, além de cursos por correspondência. Conferências públicas se deram no Ministério da Educação e Cultura, na Associação Brasileira de Imprensa, na Escola Nacional de Música, estas na cidade do Rio de Janeiro, e outras em Niterói, amplamente noticiadas pelos jornais, à época.

No ano de 1951, a Fraternidade empreendeu uma cruzada pelos Estados do sul do País, movimento coroado , aliás, de completo êxito. Outras excursões equivalentes foram feitas a diferentes pontos de nosso Estado, sempre em meio à maior receptividade.

Em 1959 a Fraternidade Rosacruz edita o "Correio Rosacruz", autêntico vexilário das aspirações do cristianismo esotérico, tendo como finalidade a divulgação dos ensinamentos legados por Max Heindel, ao Ocidente.

Releva mencionar que a Fraternidade Rosacruz Max Heindel, considerada de utilidade pública, jamais contou com qualquer subvenção oficial.

Extensa, pelo visto, mostra-se a agenda de relizações desta Escola, cabendo acrescentar que entre as suas atividades manteve, por alguns anos, um programa radiofônico ( "A Voz Rosacruz" ) transmitido pela antiga Rádio Copacabana. Também, durante 25 anos, manteve um programa de assistência moral e espiritual, por intermédio de música e palestras aos internos do Instituto Penal Lemos de Brito.

Em 1963 relizou-se, também por iniciativa de nossa Escola, um Congresso Nacional destinado a fortalecer a convivência entre co-irmãs do Rio, de São Paulo e de outros pontos do País.

Em 1965, ano do centenário de nascimento de Max Heindel, coube-nos ainda a oportunidade de instalar o I Congresso Interamericano da Filosofia Rosacruz, presidido pela Sra. Irene Gómez de Ruggiero, a que compareceram delegações da Argentina, do Chile, do Paraguai e do Uruguai, além, obviamente, de outras congêneres brasileiras.

Desde a sua fundação, pela Sra. Irene Gómez de Ruggiero até hoje, a Fraternidade Rosacruz Max Heindel, continua fiel aos princípios do esoterismo cristão por que sempre se norteou, professando e praticando princípios basilares de preparação para o advento de uma próxima era - a de Aquário - , em função da qual deverão todos os homens capacitar-se para o alcance da verdadeira espiritualidade, dignificando a vida e plenificando-a de amor fraterno.

A FRATERNIDADE ROSACRUZ MAX HEINDEL É AGORA UM CENTRO AUTORIZADO

Ao receber a Carta Patente da "The Rosicrucian Fellowship", datada de 19 de novembro de 1997, a Fraternidade Rosacruz Max Heindel , do Rio de Janeiro, tornou-se um Centro Autorizado para a divulgação dos Ensinamentos da Filosofia Rosacruz.

Esta Carta Patente traz consigo, de forma inseparável, a grande responsabilidade que é inerente a todo grupo de estudantes e probacionistas que assumem, por decisão própria, a missão de cumprir com os sagrados mandamentos de Cristo: Pregar o Evangelho e Curar os doentes.

O cumprimento integral dessa missão apóia-se em um requisito essencial: manter a pureza dos Ensinamentos Rosacruzes, acima dos interesses da personalidade humana em todas as suas formas, especialmente as de caráter mais sutil, porque sutil e diáfana é a essência do conhecimento cristão, mas capaz de atingir um poder inigualável que só pode ser construído pela pureza e só pode ser aplicado para aliviar e curar o sofrimento e as inquietudes da natureza humana, sejam de origem física ou mental. É o que nos ensina de forma magistral o mito de Parcifal.

Que as vibrantes e profundas admoestações do nosso ritual de cura " Um vaso que não esteja limpo não pode conter água pura e cristalina, nem uma lente manchada dar uma imagem nítida", sejam a Luz a orientar nosso caminho na prática de se tentar vivenciar os Ensinamentos Rosacruzes.

A SEDE DA FRATERNIDADE ROSACRUZ NO RIO DE JANEIRO

Em paralelo com a obtenção da condição de Centro Autorizado para a divulgação dos Ensinamentos Rosacruzes, a nossa Fraternidade conseguiu realizar seu antigo sonho de ter uma sede própria, atualmente em pleno funcionamento.

Durante muitos anos, a Fraternidade funcionou na Av. Edison Passos, 1000, até que nossa inesquecível fundadora, D. Irene Gómez de Ruggiero partiu para uma missão maior nos planos invisíveis.

Desejosos de manter vivo o Ideal da Fraternidade Rosacruz, um grupo de seus antigos estudantes passou a se reunir na residência de um dos estudantes, regularmente, para o estudo da Filosofia Rosacruz, ao mesmo tempo que esforços foram envidados para regularizar o vínculo com a Sede Mundial, em Oceanside, objetivo que foi plenamente atingido, culminando com a Carta Patente concedida pela "The Rosicrucian Fellowship".

Além dessa realização, por meio de donativos aportados por antigas simpatizantes da causa Rosacruz, foi possível a aquisição e instalação de uma sede própria. Após as obras de restauração do prédio, ao final de 1997, procedeu-se um trabalho interno de edificação espiritual e organização de seu espaço interior, reiniciando suas atividades públicas no equinócio de outono de 1998, com reuniões devocionais e de estudo. Também a partir deste novo ano espiritual foi oferecido o Curso Preliminar de Filosofia Rosacruz, por correspondência, como ocorre nos demais centros autorizados. Atualmente a Fraternidade está credenciada pela Sede Mundial a oferecer todos os cursos curriculares editados pela mesma.

A nossa sede no Rio de Janeiro está localizada na Rua Enes de Souza, 19, na Tijuca,próximo à Praça Saens Peña, estando aberta a todos quantos, de alguma forma, tangidos por um sentimento de renovação anímica, para cá convergem numa profissão de fé cristã e de confiança no futuro.

Cumpre-nos registrar um profundo sentimento de gratidão a nossos fundadores públicos, Sr. Max Heindel, Sra. Augusta Foss de Heindel e Sra.Irene Gómez Ruggiero, cujas vidas foram marcadas por singular trajetoria, caracterizando-se por vertical coerência que, não poucas vezes, incidiram em sacrifícios pessoais. Essa entrega absoluta ao idealismo rosacruz eles o fizeram com o exclusivo propósito de ser útil aos seus semelhantes, no ato deliberado de servir desinteressadamente à Humanidade, como autênticos cidadãos do mundo.

Irene Gómez Ruggiero, A Voz Rosacruz

Fundadora do primeiro núcleo rosacruz do Rio de Janeiro.
Natural do Uruguai, migrou para o Brasil em 1940, a conselho da Sra. Augusta Foss-Heindel, onde fundou a Fraternidade Rosacruz Max Heindel.
Ministrou milhares de conferências no Brasil e em diversos países latino-americanos. Manteve durante vários anos um programa radiofônico na antiga rádio Copacabana, chamado A Voz Rosacruz.
Prestou assistência espiritual a presidiários em institutos penais do Rio de Janeiro. Promoveu diversos conclaves rosacruzes. Autora de inúmeros artigos, editou durante várias décadas o Correio Rosacruz.
Oficiou durante várias décadas serviços esotéricos e palestras para adultos e jovens na Escola que estabeleceu, até ser chamada para um trabalho maior nos mundos superiores.
Todos aqueles que tiveram o privilégio de compartilhar sua presença e assistir suas palestras são testemunhas de seu profundo conhecimento espiritual, carisma ,eloquência , inquestionável clarividência e de uma vida consagrada absolutamente ao idealismo rosacruz

Nossa Instrutora D. Irene

Nasceu nos primeiros anos do século XX, em um distrito chamado Manguera-Azul, cidade de Minas, no interior histórico do Uruguai, onde pontificava a imagem de seu avô materno, o General Leandro Gómez. O falecimento de seu pai, Fausto, em guerra interna ocorreu poucos meses antes de seu nascimento e marcou de tristeza seus primeiros anos, bem como à sua mãe Manuela. Por isso, gravitou tanto em sua formação sua avó materna, Saturnina, matriarca italiana de Gênova, que havia se tornado fazendeira no interior do Uruguai. Aquela que iria dedicar sua vida ao serviço do próximo foi chamada por sua avó de Irene, que significa em grego "aquela que trouxe a Paz". Já aos dez anos de idade, ela conversava com sua avó sobre o Sacrifício do Senhor Jesus Cristo pela humanidade, causando perplexidade aos parentes. Aos vinteanos, preencheu o vazio de liderança que a morte se sua avó deixara, passando a ser o guia religioso de sua numerosa família e, na década de 30, inicia sua pregação pública no Uruguai e Argentina, conhecendo e dialogando com o já então conferencista Krisnamurti em sua viagem à América do Sul, com o ocultista Cambareri e com Carlos González, mais tarde conhecido como Raumsol, fundador da Logosofia.

Os livros Zanoni e Memórias do Padre Germano eram suas leituras de cabeceira. Realizou conferências de Cristianismo Esotérico na Sede da Sociedade Teosófica do Uruguai e, em 1935, teve sua grande revelação ao deparae em uma livraria do centro de Montevidéo com o "Conceito Rosacruz do Cosmo" em cima de um balcão e ouviu do idoso livreiro, acaso ou destino, o seguinte comentário: "Há poucos minutos, um senhor idoso esteve por levar os dois últimos exemplares, mas, refletindo, levou um só, concluindo que talvez o segundo exemplar pudesse ser útil a quem estivesse precisando". Nossa já dedicada servidora o levou e, com avidez, leu suas quinhentas páginas quase de um só alento e o releu com devoção.

Como o pescador da Bíblia, encontrou a pérola que sua alma anelava. Escreveu à editora Sintese, em Barcelona, Espanha, que editava todos os livros de Max Heindel e determinou seu caminho espiritual para sempre.

Em 1936, filiou-se à "The Rosicrucian Fellowship" e fundou a Fraternidade Rosacruz do Uruguai. Dois anos depois, em acontecimento até então inédito em uma sociedade conservadora, onde a divulgação pública religiosa estava somente em mãos de católicos e protestantes, fundamentalmente através do rádio, surpreendeu a opinião pública ao realizar duas palestras por semana, sempre de improviso como o fez em toda a sua vida. Primeiro, falou pela Rádio américa e a seguir pela principal rádio, La Radio Centenario, que cobria todo o pequeno Uruguai, mas que chegava com nitidez às províncias argentinas de Buenos Aires, Rosário, Paraná, Santa Fé , Corrientes e Concórdia e, em dias de bom tempo, até Assunção, capital do Paraguai. Dessas cidades, retornava nutrida correspondência semanal, atendida por nossa Instrutora, com a ajuda de uma jovem secretária, e, ante o aumento do trabalho, por uma segunda assistente, sua sobrinha, uma entre os muitos familiares que desde o ano 30 a acompanhavam.

Em sua correspondência com a Sede Central, recebeu, em 1939, da Sra. Augusta Foss Heindel que admirava seu trabalho, a sugestão de vir para o Brasil para disseminar a Filosofia Rosacruz, então quase desconhecida. Como primeiro passo, foi ao rio Grande do Sul, onde se maravilhou com a espiritualidade que lhe foi dado sentir. Decidiu vir para o Rio de Janeiro, aqui chegando em fevereiro de 1940, onde se instalou em uma pequena casa de vila na Rua Lins de Vasconcelos.

Nossa Instrutora deu palestras na Sociedade Teosófica, no Centro São Jorge e na Tenda Mirim, onde ganhou a inteira adesão de vários futuros companheiros.

A casa de Lins de Vasconcelos foi-se tornando pequena para o número cada vez maior de irmãos que ouviam a voz de nossa Instrutora que, em fins de 1943, mudou-se para o Flamengo e, em 945, para Santa Teresa, até agosto de 1949. Até então, todos os gastos foram cobertos por inteiro pela família, não havendo jamais a cobrança de cotas quaisquer.

Somente em fins de 1949, então com a ajuda de vários irmãos, a Fraternidade Rosacruz Max Heindel se instalou na bela mansão da então Avenida Tijuca, hoje Avenida Edison Passos, 1000, onde esteve instalada por cerca de quatro décadas. Iniciou-se então o Curso de Filosofia Rosacruz por correspondência, chegando a remeter mais de cinqüenta cartas semanais.

Em 1951, nossa Instrutora e numerosa comitiva empreendeu a Primeira Cruzada Rosacruz, com conferências no Teatro São Pedro de Porto Alegre, na Instituição Doze de Agosto de Florianópolis, onde irmãos maçons assistiram de pleno, no seleto Clube Curitibano da capital paranaense, em cuja cidade a Fraternidade travou contato com o Instituto Neo-Pitagórico, na Associação Feminina de Santos, na
Biblioteca Estadual da Cidade de São Paulo e no Teatro Municipal de Campinas.

Além de todos esses locais ficarem lotados, a imprens brasileira deu uma ampla divulgação, inclusive com manchetes e fotos em primeira página, como, por exemplo, o "Correio do Povo" de Porto Alegre, o "Estado" e a "Gazeta" de Florianópolis, "A Noite" de São Paulo, "A Tribuna", tradicional folha de Santos e "O Diário" desta mesma cidade, que chegaram ao extremo de aguardar, com suas ramas já em máquina, as notas sobre os temas das Conferências, tamanha a ressonância que a cruzada Rosacruz alcançara naquela cidade, então a segunda de São Paulo.

Iguais notas vieram da imprensa carioca. "O Globo", os conservadores "Correio da Manhã", "Jornal do Brasil", o "Diário de Notícias", os órgãos associados "O Jornal" e "Diário da Noite", enfim, todos os jornais diários veicularam a atividade da Fraternidade Rosacruz Max Heindel, que, por numerosas vezes deu conferências nos auditórios do então Ministério da Educação, na Associação Brasileira de Imprensa e na Escola Nacional de Música, inclusive com Coral próprio, Orquestra de Câmera, Quartetos e Duos Camerísticos, sob a direção do Maestro Nelson Nilo Hack e os solistas Eugen Ranevsky e Violeta Kundert.

Em 1959, multiplicando-se as atividades, a 16 de janeiro foi lançado o "Correio Rosacruz" e, em abril do mesmo ano, iniciou-se o Serviço de Radiodifusão com os programas "Repouso Musical" às 3as. e 5as., de 20:30 às 21 horas, com a palavra de nossa Instrutora que, como sempre, falava de improviso e às 13 horas de 2as., 4as. e 6as., "Páginas Cristãs Espiritualistas". Em breve, o programa principal passou-se a chamar "A Voz Rosacruz" e, para evitar músicas ruidosas a seguir da Voz do Brasil e antes da palavra de nossa Instrutora, conseguiu-se do Dr. Bello, antigo proprietário da Rádio Copacabana, admirador do elevado grau de cristianismo de nossa Mestra, como ele a chamava, a cessão daquele espaço intermediário de 30 minutos, para a apresentação do programa "Jóias Musicais", dedicado à sensibilidade artística dos ouvintes. Simultaneamente, às 3as. e 5as., das 13 às 13:30h, passamos a oferecer as "Páginas Esotéricas", com trechos dos principais livros ocultistas. ao todo, passaram a ser nove programas com quatro horas de transmissão semanais.

Em 1963, foi realizado o Primeiro Congresso de Fratenidades Rosacruzes no Brasil, com a participação de representantes de vários estados e, em 1965, Centenário do nascimento de Max Heindel, ampliando essa frutífera realização, levamos a cabo o Primeiro Congresso Latino-Americano da Filosofia Rosacruz. E, como sempre, e em todas nossas atividades, nossa Instrutora foi o corpo, espírito e alma do trabalho realizado. Foram 25 anos de permanente trabalho com extraordinários resultados e que, por muitas razões resultou difícil conservar e prosseguir.

A passagem de nossa Instrutora para os Planos Superiores deu-se de maneira esperada, serena, consciente após muitas noites de oração, como que trabalhando em uma sólida ponte para uso futuro e para a continuidade de sua obra. À meia-noite do dia 15 de setembro de 1991, ela se encaminhou por seus próprios meios à Simbólica Última Ceia, compartilhada com seus familiares e, após longo e forte suspiro, seu Espírito deixou seu corpo. Foi aos dez minutos do dia 16 de setembro . Seu corpo permaneceu ereto, nem a cabeça se enclinou, e foi levada ao leito. Uma Paz invadiu a casa. Depois da forte chuva que antecedera a meia-noite, fez-se um silêncio total, sem vozes nem barulhos externos. Apenas um leve chuvisco se fazia presente e era como se a Natureza abençoasse essa partida com suas serenas lágrimas.

Toda esta dádiva celeste queremos agradecer à Lei Divina que levou nossa Instrutora em momento astrologicamente singular. Ela partiu com a Lua entrndo em quarto crescente, com o Sol transitando Virgo, a sexta casa do mandala universal, signo do Serviço , e a Lua transitando Sagitário, a mística nona casa do mandala universal, domicílio das Grandes Viagens e da Mente Abstrata e Espiritual, signo solar de nossa Instrutora, portadora da Fé e da Sabedoria Mística.

A obra de nossa Instrutora se estendeu por mais de sessenta anos de serviço evangélico, orientando irmãos desde crianças até anciãos.



A Espiritualidade e o Conhecimento de Si Mesmo

Meu Irmão...
... nunca pensaste na hora em que possas conhecer-te a ti mesmo?

Queres iniciar, hoje, a fazer reais esforços para alcançar essa inefável virtude? Ela é tão preciosa para o espírito, que Goethe, um iluminado ser, dizia: "Quando o homem se conheça a si mesmo, libertar-se-á das cadeias que o prendem a êste mundo".

Bem...se queres começar agora mesmo, acalma, primeiro, o tumulto de tuas vozes internas. Senta-te comodamente. Respira com sossêgo e naturalidade. Fecha os olhos.

Depois pergunta-te: "Quem sou eu, em realidade?" Pensa lentamente, mas com determinação. Procura conhecer-te em tôdas tuas facêtas. Esquadrinha profundamente teu mundo mental, definindo-o com leal exatidão.

Pergunta-te honestamente: "Qual é meu objetivo sôbre a Terra?" Se chegas a responder-te, de acôrdo aos conhecimentos que possuis, de um modo consciente e claro, tuas possibilidades de progresso são imensamente melhores.

O objetivo do ser humano na Terra caminha paralelamente a seu grau de inteligência. Quando se chega a um grau de consciente responsabilidade, delineando ampla e precisamente os propósitos espirituais que se tem, passa-se a estar na proporção de cinquenta por cento no caminho verdadeiro.

De nada valem todas as filosofias sôbre a vida, se a humanidade não se define a si mesma. Uma pessoa pode passar estudando as coisas do espírito vinte, trinta anos, uma existência enfim, e não obter mais que uma espiritualidade intelectual.

Portanto, amigo, sê teu próprio juiz, com o máximo rigor, com a maior severidade, efetuando a necessária devassa em tua vida interna.

Averigua, em teu íntimo, o que procuras no caminho espiritual: conhecer-te ou ignorar-te? Acaso, será que queres passar a existência filosofando vaziamente, sem tentar a reforma interna, sem divisar com clareza tuas reais ânsias e aspirações?

Ou desejas, pelo contrário, constatar tuas imperfeições, conhecer tuas falhas e debilidades, a fim de transmutar tuas fraquezas, conscientemente, e empreender uma nova etapa em tua vida, para viver o que estudas e compreendes, procurando elevar-te na conquista da evolução celeste, e ser, desde este momento, por primeira vez em tua aprendizagem na Terra, espiritualmente sincero e leal com teu próprio Self espiritual?

Se te respondes positiva e convictamente, e procedes em teu íntimo em harmonia com as respostas que te deres, então deixarás de representar uma simples fôlha levada à vontade do vento, para passar a governar sabiamente o timão de tua presente vida, de teu destino, de tua finalidade divina!
- Irene Gómez Ruggiero

Tocando piano; Tamanho real=130 pixels de largura

Sra. Irene Gómez Ruggiero

Informe-nos sobre quaisquer eventos ou notícias que queira compartilhar com os outros membros.