Make your own free website on Tripod.com

 A ERA AQUARIANA

Muitas declarações sobre a Era Aquariana podem ser encontradas nas publicações atuais.

Freqüentemente , deparamos com afirmações de que a Era Aquariana já começou, que vai durar certo período de tempo, que ela é o resultado de um fenômeno astronômico ou astrológico, que tem determinadas características, ou que, sob sua influência, o homem estará capacitado a realizar certos trabalhos específicos.

Queremos apresentar aqui os ensinamentos da Fraternidade Rosacruz sobre o assunto.

A Era Aquariana ainda não começou, apesar de sentirmos já a sua influência, e tardará ainda mais uns seiscentos anos até que chegue realmente, ou seja, isto acontecerá por volta do ano 2.600 da Era Cristã.

O fato de alguns afirmarem que já estamos na Era Aquariana pode ser explicado pela diferença que existe entre as constelações zodiacais e o chamado "Zodíaco Intelectual". Um determinado grupo de estrelas fixas no céu chama-se Áries; outro grupo, localizado perto de Áries chama-se Taurus; um terceiro grupo chama-se Gemini, e assim por diante. Estas doze constelações ou grupo de estrelas, como são vistas no céu, ficam sempre no mesmo lugar e na mesma posição relativa entre umas e outras. Através destas constelações viaja o Sol, ano após ano, com precisão invariável. Mas, devido a que o eixo da Terra se inclina para o Sol e tem um movimento cambaleante, parecido ao movimento de um pião quando está perdendo sua força, o movimento do Sol parece ser irregular. Cada ano, quando o Sol entra na constelação de Áries cruzando o Equador da Terra, ele o faz um pouco antes do que no ano anterior. O Sol precede, e este é o motivo pelo qual os astrônomos falam na "precessão dos equinócios". Isto quer dizer que o Sol parece cruzar o Equador no equinócio vernal ou começo da primavera, cada ano um pouco antes do ponto no qual cruzou o Equador no ano anterior. Portanto, se um ano cruzou o primeiro grau de Áries, no ano seguinte cruzará ligeiramente a constelação de Pisces, desde o primeiro ponto de Áries e assim sucessivamente. Na verdade, este movimento retrógrado é tão lento, que o Sol demora quase 70 anos para cruzar um grau, ou seja, 2.100 anos para passar por um signo, ou 26.000 anos aproximadamente para passar, em movimento retrógrado, pelos doze signos. Este último período é chamado um Grande Ano Sideral.

Os astrônomos falam geralmente de "graus de ascensão reta", para os quais dividem o círculo do céu em 360 graus, começando pelo ponto de onde o Sol cruza o Equador celeste, no equinócio vernal precedente. Eles, da mesma forma que os astrólogos, conferem a Áries e Taurus a 30 graus que se seguem a Áries etc. Assim é explicado o zodíaco natural, composto das 12 constelações ou gruppo de estrelas, que mudam tão imperceptivelmente sua posição no céu que não podemos notá-la em uma vida, nem em algumas centenas de anos. Por outro lado, existe o zodíaco intelectual, que começa no ponto preciso do equinócio vernal de qualquer ano. Como o Sol, por precessão, viaja para trás pelos diferentes signos do zodíaco, é óbvio que chegará um momento em que o equinócio vernal ocorra no ponto preciso do primeiro grau de Áries, e, como conseqüência, em tal ano coincidirão os zodíacos natural e intelectual. A última vez que ocorreu este fato foi ao redor do ano 500 da Era Cristã e como o Sol estava se movimentando à velocidade acostumada, ao redor de um grau a cada setenta anos, é evidente que, na atualidade, o equinócio vernal ocorra cerca de nove graus de Pisces. De tal forma que será ao redor do ano 2.600 que o Sol realmente entrará na constelação de Aquarius. Podemos dizer que a Era Aquariana começará nessa época e irá durar aproximadamente 2.100 anos, durante os quais o Sol seguirá seu movimento retrógrado, atravessando os 30 graus do signo de Aquarius. Na verdade, não vamos imaginar que ocorra uma mudança brusca em uma determinada data, como sucede, por exemplo, quando dizemos que entramos no ano de 1975 a meia noite do dia 31 de dezembro de 1975. Esta é uma divisão matemática do tempo. De fato, as épocas distintas da existência humana dependem das influências vitais e são realmente mais o resultado de condições mentais do que de divisões do tempo, ainda que as duas estejam vinculadas.

Por isso, os astrólogos reconhecem o que se chama de "uma órbita de influência". Para entender isto, devemos reconhecer que todo ser humano é algo mais do que vemos; que está rodeado por uma aura, uma atmosfera invisível, um "algo" que irradia de sua pessoa e que forma parte de sua personalidade. Em outra palavras, o homem tem certos veículos, invisíveis para a visão comum, que se estendem mais além de seu corpo físico. É por isso que, quando estamos perto de outra pessoa, os corpos invisíveis se misturam e há momentos em que estamos quietos e passivos sentimos mais estas influências sutis apesar delas sempre existirem e constituírem fatores poderosos em nossas vidas.

Imaginemos uma pessoa concentrada integralmente em seu trabalho, de modo que não olhe, nem veja o que sucede ao seu redor. De repente, percebe que alguém entrou em seu quarto - que, na realidade, está atrás dela - vira-se e vê um amigo. Não ouviu a entrada de seu amigo porque estava muito absorta em seu trabalho, mas sentiu-o, porque a aura do amigo se intercalou com a sua própria atmosfera áurica. Por isso sentiu que alguém estava atrás dela, apesar de não Ter nenhum contato físico.

"Assim como é em cima, é em baixo" e vice-versa, é a Lei da Analogia, a chave mestra para os mistérios. O homem é o microcosmos e as estrelas , o macrocosmos. As constelações são grupos de grandes Espíritos que se encerram em seus corpos estelares, com a finalidade de ajudar as inteligências menos desenvolvidas, para que possam Ter as experiências necessárias para sua evolução. Podemos concluir que estes grandes Espíritos têm veículos sutis que são similares aos da atmosfera áurica de nossa Terra. O Sol se aproxima muito da constelação de Aquarius no equinócio vernal. Assim, a influência de Aquarius, juntamente com os raios solares, são transmitidas à Terra e como a primavera é a época especial em que tudo está impregnado de vida, podemos perceber que o raio aquariano assim transmitido, far-se-á sentir entre as pessoas da Terra.

Reconhecemos, sem dificuldade, a influência de Pisces durante os últimos dois mil anos. A superstição, a escravidão intelectual, a fé cega pela qual passou a civilização, são fenômenos bem conhecidos dos historiadores. Por outro lado, as influências da Era de Pisces no processo evolutivo foram necessárias. Os ensinamentos de amor e altruísmo que Cristo trouxe à Terra eram tão estranhos à religião da lei e do medo, conhecidas até então, que não podiam surtir efeito na humanidade, se não se desse ênfase à fé que abrangeu a doutrina da redenção da humanidade, por meio da "expiação redentora do Gólgota". A Era de Pisces será recordada como a Era da Fé, em contraste com a Era Aquariana, a Era da Razão, durante a qual serão ensinados os princípios do novo Cristianismo - amor e desinteresse. Na Era de Pisces recomenda-se a abstinência da carne em certos dias. Reverencia-se uma Virgem Imaculada. Aconselha-se que se abandone os prazeres da carne e os apelos à sensualidade. Nos seiscentos anos que faltam para que a Era Aquariana se inicie definitivamente, faremos muitos progressos nestas duas áreas de consciência. Recordemos que Júpiter, o planeta da benevolência e da filantropia, também governa Pisces e tem sido um fator muito importante no desenvolvimento do altruísmo durante estes últimos anos.

Os estudos astrológicos informam-nos que Aquarius exerce uma influência intelectual original, inventiva, mística, científica, filantrópica e religiosa. Se quisermos aplicar a sentença bíblica que diz " por seus frutos os conhecereis", podemos pressentir a Era Aquariana pelos esforços originais ligados à ciência, religião, misticismo e altruísmo. Olhando para trás podemos ver um período de quase cem anos, no qual o Sol viajou, por precessão, pouco mais de um grau na órbita até Aquarius e constatamos que, durante esse tempo, produziu uma grande mudança em muitas idéias, houveram novos descobrimentos, avanços científicos e muito mais inovações em todos os campos de atividade do que nos últimos dois mil anos. Consideremos algumas das invenções deste último século: o telefone, o telégrafo, o radar, a televisão, computadores e a complicada maquinaria das viagens espaciais. Isto e milhares de outras invenções são indicadores no mundo físico, da aproximação da Era Aquariana.

Também notamos que tendências à idéias liberais em assuntos religiosos estão substituindo as condições antigas de crença dogmática tão enraizadas na doutrina. É notável o número crescente daqueles que desenvolveram a visão espiritual e estão investigando o caminho da evolução nos planos superiores. Os estudos astrológicos estão adquirindo uma popularidade nunca vista nos últimos anos. Ficamos impressionados ao entrar numa livraria e constatar o número inccrível de publicações recentes sobre ocultismo, astrologia etc.

Na Era Aquariana, haverá a combinação da religião com a ciência e teremos então uma ciência religiosa e uma religião científica. Cada qual aprenderá e respeitará os descobrimentos feitos pela outra, o que redundará em saúde, felicidade e permitirá ser possível desfrutar uma vida melhor.

A Era Aquariana será uma era de fraternidade universal e já observamos, à nossa volta, movimentos para a eliminação de barreiras e preconceitos raciais. Na atualidade, este resultado tem sido obtido, muitas vezes, através do derramamento de sangue e rebeliões. A espada, que governa a Era de Pisces é ainda poderosa, mas cederá seu lugar à ciência e ao altruísmo, que regerão a Era Aquariana.

Como Aquarius é um signo de ar, científico e intelectual, a confusão inevitável é de que a religião desta Era deverá estar alicerçada na razão e será capaz de explicar o enigma da vida e da morte, de tal maneira que satisfaça tanto a mente como o sentido religioso. Neste aspecto, os Ensinamentos da Sabedoria Ocidental estão preparando o caminho para a Era Aquariana, aspirando eliminar o temor da morte, que se origina da incerteza que envolve a existência após a morte. Estes ensinamentos demonstram que a vida e a consciência continuam submetidas à leis tão imutáveis como Deus, cuja meta é erguer o ser humano até um estado de espiritualidade mais nobre e elevado.

Como é um signo do ar, Aquarius governa especialmente a região etérica. Á medida que o Sol entrar, por precessão, em Aquarius, a umidade da terra irá sendo eliminada, gradualmente, e as vibrações visuais, que se transmitem mais facilmente em uma atmosfera seca e etérica, serão mais intensas. Nessas condições poderemos desenvolver nossa visão espiritual e seremos capazes de ver os seres que vivem na região etérica, incluindo os seres que vivem na região etérica, incluindo os nossos parentes e amigos já "falecidos". Poderemos, então, continuar nossa união com eles, mesmo depois da "morte", sabendo que eles partiram para as regiões mais elevadas. Estaremos, assim, suficientemente aptos para reconhecer que, na realidade, há "vida depois da morte".

Quando o homem atingir este ponto de evolução, estará tão iluminado que poderá evitar muitas "quedas" que lhe causam tanto sofrimento e perturbação, e desfrutar uma existência muito mais ditosa do que a que tem atualmente. Será capaz de resolver problemas sociais em forma eqüitativa para todos e o uso de maquinaria e instrumentos aperfeiçoados livrarão as pessoas, em grande parte, de tarefas físicas pesadas e dar-lhe-ão uma melhor oportunidade para progressos intelectuais e espirituais.

Ainda que, a seu devido tempo, todos nós tenhamos direito aos benefícios da Era Aquariana, há a possibilidade, agora, para aqueles que aspiram a uma vida melhor e mais espiritualizada, pôr-se em sintonia com o espírito da Era vindoura e preparar sua receptividade às influências aquarianas. Aquele que viver sinceramente uma vida de serviço para a humanidade e que exercite seus dons de compaixão, altruísmo e benevolência, progredirá no caminho evolutivo conforme os esforços que fizer para responder às influências de Aquarius.

Para retornar ao Correio Rosacruz clique aqui